sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Portugal: o País Onde Tudo é Possível

É hábito meu actualizar-me nos jornais online. Muitas vezes fico angustiada ao ler as noticias do mundo, outras vezes riu-me, por vezes fico arrepiada, de vez em quando incrédula e de quando em vez penso "o que é que vai ser de nós?".
Mas esta notícia, teve o condão de me deixar petrificada. Passo a citar:

 

Pai entrega filho em esquadra por ser gay

Um pai entregou, na madrugada de quinta-feira, o filho na esquadra da PSP Valadares, em Vila Nova de Gaia, por ter descoberto a orientação sexual do menor, ao início da noite.
Segundo fonte policial, o progenitor perseguiu o menor, com 15 anos, logo que este lhe pediu autorização para uma saída nocturna com amigos. O pai foi então encontrar o adolescente na discoteca Pride, no Porto, pelas 1.30 horas de quinta-feira.
Reagindo a quente, alegadamente, o homem accionou primeiro várias autoridades, acusando a gestão do espaço - maioritariamente frequentado por jovens homossexuais - de ter permitido a entrada do menor.
Tendo em conta que a PSP pouco mais terá feito que registar a falha de identificação na entrada do espaço, apenas permitido a maiores de 18 anos, pai e filho regressaram então a casa, a Valadares.
Pelas 4.30 horas, o progenitor, engenheiro de profissão, apresentou-se na PSP daquela localidade com o adolescente lavado em lágrimas, para o entregar aos polícias que estavam de serviço.
O JN sabe que o pai se recusou a ficar com o filho em casa, tendo sido accionado o serviço de emergência social para encontrar uma resposta de albergue para o jovem.


Posto isto só posso mesmo dizer que realmente o nosso país  devia ser intitulado de Portugal: o País Onde Tudo é Possível. Sem dúvida que temos mesmo muito caminho para percorrer, e fazer  lavagens cerebrais a muita boa gente, também.
Que as pessoas não concordem com a homossexualidade eu consigo perceber, nem todos temos que pensar da mesma maneira, nem se quer ter os mesmos ideais. Vivemos numa democracia, e por isso todos somos livres de pensar como queremos, nunca esquecendo que para sermos respeitados temos de saber respeitar e que a nossa liberdade termina quando começa a do outro. Até aqui tudo muito bem.
O que a mim me ultrapassa, é a questão  de como é que um pai abandona um filho de 15 anos deixando-o por aí caído ao sabor do vento, sem rumo, à espera que uma alma caridosa o acolha. Ou melhor que isto, como é que um pai, entrega o seu próprio filho à PSP por este ter uma orientação sexual que não lhe agrada.
O que pessoazinhas ocas como estas têm que perceber é que independentemente da cor, sexo, idade, raça, língua, estatuto ou outra coisa qualquer, todos andamos por aqui com o mesmo propósito: o de ser feliz!! E  ninguém melhor que os nosso pais para nos apoiar, e para se sentirem realizados quando os filhos alcançam a sua plenitude.


B.

5 comentários:

x. disse...

Nem dá para acreditar, que horror..

Demovanic disse...

eu ja tinha visto essa aberração de noticia no JN. Concordo contigo. Há pessoas realmente muito ocas da cabeça. Deixar assim um filho só porque é homossexual?! é estúpido e não compreendo. Acho que esse pai devia preferir o filho tendo a orientação sexual que tiver, mas ao menos com ele e em segurança do lar, do que á sua própria sorte.

beijinhos

Anónimo disse...

Hoje em dia nem todos vivemos para o mesmo proposito, uns vivem para a sociedade, para as aparencias, outros vivem para olharem para a vida dos outros.
Compreendo que muitas vezes(quase sempre) os pais nao esteja preparados para uma noticia dessas, é facil aceitar os homossexuais, mas é dificil pensar que é um filho nosso, simplesmente não estavam dispertos para isso e depois é um choque.. é tal coisa que só acontece aos outros. Mas é tambem nestes momentos que se distingue a familia, a familia apoia aconteça o que acontecer.. Só espero que esse pai tenha acordado e pensado "O que é que eu fiz?" antes de homossexual é um humano, um filho..

Anónimo disse...

p.s.-> mas sim deviamos viver todos com o proposito de ser feliz!

kishikiari disse...

li nisso e nem quis acreditar, este portugal é tão tacanho e retrogrado que faz aflição